JBS é acusada de violar direitos indígenas, ação da Vale elevada e da Copasa cortada, prejuízo da Braskem e mais notícias

JBS é acusada de violar direitos indígenas, ação da Vale elevada e da Copasa cortada, prejuízo da Braskem e mais notícias

3 de junho de 2020 0 Por Renato Ojima

O noticiário corporativo desta quarta-feira (3) tem mais uma vez como destaque as recomendações de ações, com o ADR da Vale sendo elevado pelo UBS, a Copasa tendo a recomendação cortada pela XP.

Além disso, em destaque, a adoção do isolamento social e a volatilidade nos mercados causada pelas incertezas em relação à economia global continuam refletindo nos resultados das empresas.

A variação cambial levou a Braskem a registrar no primeiro trimestre do ano um prejuízo líquido de R$ 3,649 bilhões, ante lucro de R$ 928 milhões nos primeiros três meses de 2020. Já a fabricante de máquinas Romi optou por ofertar aos clientes a opção de aluguel de equipamentos, como tornos e injetoras de plástico. O objetivo é facilitar os negócios com as empresas de menor porte, de faturamento de até R$ 30 milhões.

A fabricante de autopeças Fras-Le divulga seu balanço do primeiro trimestre após o fechamento dos mercados.

Vale (VALE3)

A Vale teve a recomendação para os seus ADRs (American Depositary Receipts ou, na prática, as ações da empresa negociadas nos EUA) elevada de neutra para compra pelo UBS, com preço-alvo de US$ 12.

Ainda no radar da mineradora, o governo intensificou o diálogo com a área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) para avaliar a renovação antecipada da Estrada de Ferro Carajás (EFC), da Vale, que teve parecer desfavorável pelo tribunal.

Segundo o jornal “O Estado de São Paulo”, o Ministério da Infraestrutura irá enviar nos próximos dias um documento para responder os pontos levantados pelo TCU.

Ainda sobre o setor de mineração, a Sul Americana de Metais (SAM), controlada pela chinesa Honbridge Holdings, espera um atraso de cerca de um ano para o início da operação do complexo minerário que espera operar no norte de Minas.

Copasa (CSMG3), Sanepar (SAPR11) e Sabesp (SBSP3)

A XP Investimentos, por sua vez, cortou a recomendação para as ações da Copasa de neutro para Vvnda após recente alta que consideramos injustificada, e atualizou as estimativas, mantendo as recomendações neutra para a Sabesp e de compra para a Sanepar.

Braskem (BRKM5)

A Braskem  reverteu lucro líquido atribuível aos acionistas de R$ 928 milhões no primeiro trimestre de 2019 em prejuízo de R$ 3,649 bilhões no mesmo período de 2020.

O prejuízo também é 25% maior na comparação com o quarto trimestre do ano passado, quando as perdas chegaram a R$ 2,922 bilhões. Os dados foram enviados nesta quarta-feira (3) à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O relatório de resultados informa que o prejuízo ocorreu em função, principalmente, do impacto da variação cambial no resultado financeiro da empresa, que tem dívida em moeda estrangeira, além do ciclo de baixa do setor petroquímico que sofre em todo o mundo com a queda da demanda provocada pelo novo coronavírus (covid-19).

Na mesma base de comparação, a receita líquida com produtos teve um leve queda de 3%, para R$ 12,625 bilhões. O Ebitda recorrente ficou em R$ 1,313 bilhão, recuo de 22%. O resultado, segundo a companhia, foi motivada pelos menores spreads cobrados no mercado internacional.

JBS (JBSS3)

A JBS foi acusada de violar direitos de trabalhadores indígenas. O Ministério Público do Trabalho em Santa Catarina ingressou com uma ação civil pública contra a JBS por suposta violação de direitos de trabalhadores indígenas após 40 terem sido demitidos de uma planta no município de Seara, segundo documentos judiciais de 1 de junho, segundo informações da Bloomberg.

Para os procuradores, a JBS desobedeceu legislação estadual que inclui povos indígenas no grupo de risco para o coronavírus, o que significa que eles deveriam ser afastados das atividades com licença remunerada, e não demitidos.

A JBS disse em comunicado que as demissões, ocorridas em 6 de maio, ocorreram em razão da descontinuidade da linha de ônibus que fazia o transporte dos colaboradores em um percurso de cerca de 600 km diários, ida e volta, até a unidade. A JBS disse ainda que a planta emprega 200 pessoas de outras comunidades indígenas de um total de 3.700 trabalhadores na unidade e que todos estão afastados preventivamente.

Dois casos de Covid-19 foram confirmados na comunidade indígena Terra Indígena Serrinha, segundo a ação.

Cielo (CIEL3)

Relatório do Itaú BBA mostra a competição no segmento de meios de pagamento, com avanço da GetNet, do Santander, que passou a deter 14,4% desse mercado no primeiro trimestre, ante 12,9% entre janeiro e março de 2019.

“Os números apontam para um impressionante ganho de participação de mercado da GetNet, explicado possivelmente explicado pelo forte crescimento de volume no segmento de grandes contas”, avaliaram os analistas.

PagSeguro também viu sua fatia de mercado aumentar de 6,6% para 7,7%. No caso da Stone, o ganho foi de dois pontos percentuais, para 9,2%. As líderes de mercado, Cielo e Rede, perderam participação, indo para 39% e 29,7%, respectivamente.

Os dados operacionais mostram ainda que houve crescimento de 11% dos volumes das operações de cartões de crédito e débito no primeiro trimestre em relação a igual período de 2019. Apesar da alta, é uma desaceleração em relação a trimestres anteriores.

Multiplan (MULT3)

A Multiplan anunciou a reabertura de mais de um de seus estabelecimentos. A partir desta quarta-feira, será retomada a operação do Jundiaí Shopping, em Jundiaí (SP).

O estabelecimento estava fechado desde março, quando foram adotadas medidas de isolamento social para conter o avanço do coronavírus no país. Na reabertura, irá operar em horário de funcionamento restrito, das 14h às 20h, atendendo ao decreto da prefeitura local.

Romi (ROMI3)

A fabricante de máquinas Romi passou a oferecer aos clientes a opção de aluguel de equipamentos, como tornos e injetoras de plástico. Segundo reportagem do jornal “Valor Econômico”, a decisão faz parte das medidas para conter os efeitos da retração da economia causada pela pandemia do coronavírus.

A ideia é que os clientes possam ter equipamentos para concluir projetos pontuais, em especial aqueles que possuam faturamento de até R$ 30 milhões.